28 julho 2009

Como dizem umas amigas e eu passei a repetir: ”Só o pai!”.
Meu humor, que já é normalmente ácido, fica ainda pior com a TPM. Tolerância zero. Ou seria melhor dizer: -1?!
Pego meu buzu diário e encontro o engarrafamento igualmente diário. Já notaram que o cenário de minhas irritações normalmente é o buzu?(acho que vou fazer um blog de crônicas do buzu...) Milhares de pessoas poderiam sentar ao meu lado, mas... sentou um pagodeiro. Como eu sei disso? Bem..leitura corporal e imagética...kkkk Camiseta regata em tamanho menor que o apropriado, bermuda com 2 palmos de cueca de fora, tênis de marca (falsificado...), boné e batidão no pescoço. O ser começa a falar com o coleguinha do lado, um pagodeiro mais disfarçado, em alto e bom (oi?!) som exibindo seu amplo vocabulário de gírias soteropolitanas. "É barril" e "tá ligado" são as expressões que mais fazem saltar pequenos raios dos meus olhinhos meigos... a cada curva, ele faz menção de me espremer no banco, mas cerrtamente a minha cara de pitbull na TPM faz ele recuar. Ou medo ou respeito. Vai que eu surto?
Toca o celular. Ele atende no mesmo tom... berrante. Neste momento penso em fazer uma parceria com as operadoras de celular: vou desenvolver um manual de boas maneiras ao falar ao telefone ....mais especificamente: como não causar perda auditiva na criatura ao lado. Quando a ligação termina e eu respiro aliviada pensando que poderia, enfim, voltar à indigna tarefa de cochilar no buzu (sim, dormir no buzu é o porão do fundo do poço), eis que ele começa a dedilhar um pagodinho no banco. Perfeito. Dane-se o meu sono acumulado.
Mas tá pensando que foi só isso? Esse foi o golpe de misericórdia...antes teve de tudo um pouco, pequenas coisas que pouco ou nada me estressam no dia a dia, mas "naqueles dias"...ah...se pudesse, eu matava!
Destaque para os pseudo discursos em prol da coletividade. Isso me irrita. Muito. Ainda mais quando vem dos extremos. Deixa eu explicar: aqueles cheios de oportunidades que começam a bradar a plenos pulmões do alto da sua vidinha confortável que o mundo seria mais justo se fosse assim ou assado... Mmas cadê que eles abrem mão de alguma coisa ou de fato fazem algo pra mudar a situação que criticam? Por outro lado, me irritam também os mergulhados na exclusão, sem perspectiva de sair dela e que teimam em criticar qualquer ganho na vida alheia, qualquier tentativa de melhorar de vida etc. Ah tá...eu, situado no meio dessa bagaça agarro com unhas e dentes as oportunidades que me surgem. E sabe do que mais....hoje eu não queria pensar em Clube da luta, em crítica social...queria era estar bem incluída no sistema, bem burguesa, dormindo de meia, respirando ar condicionado, desfilando com sacolinhas e vendo o mundo colorido.
Esse negócio de pensar muito devia entrar em recesso na TPM.
Falei.
Até mais!

2 comentários:

Josilene disse...

1. Poucas coisas me estressam mais do que buzu. Fato. (uma delas é a política, mas abafa o caso)

2. Eu tb durmo em buzu... eu já tentei parar com isso, mas hj eu encaro como algo que eu não posso mudar e dane-se quem acha feio! \o/

3. Ontem o motorista FDPFDFDPFDPFPDFPDPFPDPFPDFPPDFP me deixou com o braço estendido e com mais 20min de atraso para o trabalho!!!! Ser abissal!!!!

4. Alguém me diz pq alguns homens sentam com as pernas tão abertas em ônibus? Será que eles já ouviram falar em espaço pessoal? E q vc normalmente não quer alguém desconhecido (e feio) roçando sua perna? Esta é a coisa que eu mais odeio.

5. Go on, Bracho! Amo o seu blog! Beijos!

Fritas disse...

De vez em quando vc muda um troço por aqui, hein, Bracho!SÓ O PAI!!!hihihi
Cara...esse povo de onibus me irrita sempre...Essa modinha de colocar funk alto no ônibus me mata!!!E engraçado q parece q é sempre o mesmo...Como é q eles se proliferam assim???
Outra coisa q eu acho curioso é o lance dos vendedores dentro dos ônibus...Eles fazem uma voz engraçada e falam EXATAMENTE o mesmo texto!!!Será q todos eles se conhecem???
Hum...esquenta não, fia!Dentro de uns dias vc volta ao normal...ou não!Medo!