02 março 2010

Das constatações...

Eu tenho a teoria de que se esse mundo está tão violento, certamente uma das causas é o fato das pessoas confundirem delicadeza com frescura...e aí, não querendo ser "frescas", elas esquecem de toda e qualquer regra de polidez no trato com os outros. 

Há algumas pessoas que até se mantem na linha por um tempo. largos sorrisos, voz calma, cadenciada, mas de vez em quando elas deslizam e quando o fazem põe pra fora uma faceta tão ruim de suas personalidades que você precisa fazer um esforço enorme pra lembrar que elas não são sempre assim.

Ok, eu não sou perfeita. Ok, eu não sou legal e educada 24 hs. Mas eu me esforço. De verdade. Eu tento escolher as melhores palavras ao lidar com as pessoas. Palavras que não as magoem, que não as destrate. Não desmereça nem passe por cima do respeito que elas merecem pelo simples fato de ser tão gente quanto eu. E isso não é hipocrisia, nem vontade de garantir um lugar no céu, muito menos de ficar com boa imagem. Eu apenas tento tratar as pessoas, na maior parte do tempo, como eu gostaria de ser tratada. Com consideração e delizadeza.

Acontece que quando alguém me destrata, eu fico extremamanente irritada. E magoada. Aliás, não sei precisar qual dos dois sentimentos pesa mais. E pode ser uma coisa pequenina, sutil. Não importa, dói do mesmo jeito pensar que aquela pessoa, especialmente quando se diz minha amiga, não teve o mínimo cuidado ao lidar comigo.

Não, eu não acho que o mundo gira ao meu redor, nem que eu deva ser paparicada. Mas não, eu não admito indelicadezas.

Hoje foi um dia em que eu fiquei muito p*** com uma simples, mas rancorosa frase, uma suposta revanche por algo que nem mesmo fiz. E sabe quando uma pessoa te trata bem, mas você sente, seja nas entrelinhas, seja em pequenas demonstrações que você e sua história de vida a incomodam? Eu sinto isso. Eu não tenho culpa de ter tido oportunidades que algumas pessoas não tiveram; nunca usei isso em prol da vaidade. Então não me venha com sua agressividade latente, porque hoje foi a última vez. na próxima, que sei que será logo, a pergunta sobre o porque vai na lata. 

Seca. 

Direta. 

Sem vígula, nem pausas.

Porque algumas pessoas simplesmente têm o dom de me cansar.

Um comentário:

Luana Soares disse...

Gostei desse post, Bracho. Gostei mesmo. Você resumiu exatamente como eu me sinto quase sempre.
E quando eu fico assim, eu vou pro blog e escrevo. rs

beijão, moça!

ps. gostei de ver as vírgulas e os pontos. hahaha