10 março 2010

O que acontece quando os símbolos morrem?

Na manhã desta quarta-feira morreu Corey Haim, ator americano de 38 anos que ficou conhecido pelos diversos filmes adolescentes dos ano 80. Causa da morte, segundo o Famosidades (shame On me): overdose acidental...



Não, ele não era um excelente ator.

Não, eu não era fã dele.

Mas sempre me vem uma sensação nostálgica quando morre alguém que fez/faz parte das minhas lembranças de infância. É uma sensação estranha, como se ao ser integrada às minhas lembranças infantis, a pessoa entrasse num lugar especial e se tornasse imortal. daí quando chegam essas notícias....aquele mundo secreto se quebra, a vida real grita e a gente se dá conta de que o tempo passa...e passa rápido demais...

Nas minhas lembranças Corey Haim ainda tinha seus 16 anos, cara de adolescente tarado e cabelo desgrenhado....não 38 anos, rosto cheio de marcas e olhos impressionantemente tristes...


Enquanto escrevo este post....ouço um programa na MTV, que conta a fabulosa presença do Vampeta; presto atenção exatamente quando ele solta uma frase emblemática:

"A vida é uma decadência. A gente nasce pra morrer".

Ok. Vampeta não tem envergadura moral nem pra respirar...a frase também é lamentável....mas acabei fazendo uma conexão com a notícia da morte do Corey...pelo estado deplorável que a vida dele estava...essa frase combinaria perfeitamente...

Um comentário:

Yanne Celly disse...

Pode até parecer brega, piegas sei lá....mas tudo o que passou pela minha pré-adolescencia ficou.

Não sabia da morte, mas quando vi a foto aqui no blog...pensei" pô mais um pedaço de minhas lembranças se foi" é estranho até pra mim, sentir como se conhecesse cada pessoa que ouço falar.