19 setembro 2010

Pra onde correm os ponteiros do relógio?

Vocês já observaram como o tempo está voando?

Ok, há muito tempo que isso acontece...é a vida moderna, eu sei, mas este ano parece que as coisas se aceleraram mais! Por exemplo, eu fiz aniversário outro dia....mais especificamente, há 10 d-i-a-s! E parece que foi ontem!

Compressão do tempo e espaço,  diminuição de fronteiras, alcance cada vez mais amplo das novas tecnologias.....eu sei de tudo isso, estudo essas coisas, mas isso não afz com que eu fique confortável com esse tempo que sinto como se nos fosse roubado, sabe. Como se a gente fosse jogado de redemoinho de atividades rotineiras e se perdesse nele....perdesse a noção de quem queremos ser, de onde queremos ir e a que velocidade.

Como eu falei em outro post, a gente se arma de tecnologia pra ganhar tempo e conforto....mas, que tempo sobra de fato pra usufruir desse conforto?

Eu trabalhei no sábado todo, de plantão, e metade deste domingo....estou exausta e a sensação é de que a semana anterior ainda não acabou, embora saiba que esta, que já começou vai correr como as outras e num piscar de olhos, me verei no próximo sábado. Onde foram parar estes dias, horas, minutos....niguém sabe, ninguém viu. Só sabemos que estamos indo, levados pela maré, ao sabor da correnteza, desviando dos rochedos, das tormentas...rezando por um mar de calmaria, que pode não ensinar as melhores artimanhas de um bom amrinheiro, mas que são necessárias à saúde mental nossa de cada dia.

Um comentário:

Universitária,eu? disse...

Senêca escreve ao seu amigo Lucílio sobre economia do tempo.
Comporta-te assim,meu Lucílio,reivindica o teu direito sobre ti mesmo e o tempo que até hoje foi levado embora,foi roubado ou fugiu,recolhe e aproveita esse tempo.Convence-te de que assim como te escrevo:certos momentos nos são tomados,outros nos são furtados e outros ainda se perdem no vento.Mas a coisa mais lamentável é perder tempo por negligência.Se pensares bem,passamos grande parte da vida agindo mal,a maior parte sem fazr nada,ou fazendo algo diferente do que se deveria fazer.
Podes me indicar alguém que dê valor ao seu tempo,valorize seu dia,entenda que se morre diariamente?Nisso,pois,falhamos:pensamos que a morte é coisa do futuro,mas parte dela já é coisa do passado.
Qualquer tempo que já passou pertence à morte.
Então,caro Lucílio,procura fazer aquilo que me escreves:aproveita todas as horas;serás menos dependente do amanhã se te lançares ao presente.Enquanto adiamos a vida se vai.Todas as coisas,Lucílio,nos são alheias;só o tempo é nosso.A natureza deu nos posse de uma única coisa fugaz e escorregadia,da qual qualquer um que queira pode nos privar.E é tanta a estupidez dos mortais que,por coisas insignificantes e desprezíveis,as quais certamente se podem recuperar,concordam em contrair dívidas de bom grado,mas ningu´me pensa que alguém lhe deva algo ao tomar o seu tempo,quando na verdade,ele é o único,e mesmo aquele que reconhece que recebeu não pode devolver esse tempo de quem o tirou.
Techo do livro "Sêneca,Aprendendo a viver." Editora L&PM,Outono de 2010.