08 setembro 2010

Que eu ando meio cheia de muitas coisas...quem lê o blog, já sabe....mas hoje eu me dei conta de que estou mesmo saturada dessa explosão de blogs de moda, quer dizer, blogs de pessoas que dizem conhecer os meandros da moda e que ficam dizendo o que vc deve ou não vestir, qual a cor da estação, se é babado ou laço, salto vírgula ou rasteira, neon ou nude...

Eu adoro moda. Adoro pensar o quanto esta forma de expressão é rica e interessante, o quanto as pessoas podem impirmir suas marcas, sua personalidade no simples ato de escolher um combinação de tecidos para se apresengtar ao mundo naquele dia, mas me irrita que algumas (muitas) pessoas que pregam a tal liberdade de expressão da moda, tragam mascarado o discurso tirânico do que vc pode ou não usar.

No rastro dos blogs há tb os programas que eu carinhosamente chamo de "programas pra consertar pessoas", pq pra mim é isso que eles silenciosamente estão nos dizendo. O esquadrão da moda, por exemplo, alguém manda um e-mail (eu ia dizer uma cartinha, mas alguém poderia ter um acesso de tosse diante de tamanha quantidade de naftalina....rs) indicando uma pessoa que se veste mal e sugerindo que ela participe do programa.

Peraí! Que direito as pessoas têm de sair apontando as outras e recomendando uma mudança no visual porque ELAS acham que está ruim?

Ok, eu brinco dizendo que gostaria de mandar algumas pessoas (incluisve eu, algumas vezes...rs) pra esse tipo de programa...mas é brincadeira mesmo. Eu não me acho no direito de me envolver tanto assim na vida de ninguém, de assumir que sei o que é melhor pra ela.

Alguém aqui pode dizer: ei, mas é só roupa?

Não é só roupa. É escolha, e escolha envolve vontade...envolve algo pessoal e único daquele sujeito....

E se isso não fosse suficiente, os tais blogs que eu falei ainda funcionam como um sistema de etiquetagem das pessoas! Não há uma peça mostrada que não venha acompanhada da respetiva referência, ou seja, da marca à qual pertence. O preço geralmente não vem porque é exorbitante....claro. Um quantia que pagaria km de pano, mas refere-se à, tão somente, uma saia ou camiseta.

Quando falam em indústria da moda eu sempre penso nesta capitalização que fazem em cima dos sonhos de consumo, da representação de usar uma marca de grife, do status de carregar uma sacola de loja cara...e me choco em ver o quão manipulados somos....

Já reperaram que além de pagar os olhos da cara a gente ainda sai como outdoor ambulante e gratuito das lojas?

Se por um lado há o tal status que eu falei.....quanto essas lojas lucram enquanto as sacolas balançam tal qual pêndulos encantadores e hipnotizantes em nossas calejadas mãos?

Nenhum comentário: