21 maio 2012

Gentileza: uso contínuo


Olá pessoas!

Tudo direitinho com vocês?

Estava vendo o vídeo da Patricia Pirotta AQUI e lembrando de outro da Tatiana Feltrin (faz mais tempo e eu não achei, sorry) e fiquei pensando na bronca das duas sobre os comentários agressivos que têm recebido.

*parênteses: as duas têm blogs excelentes e que eu super recomendo: Ainda minina má da Patricia e Tiny Little things da Tatiana. Em breve farei um post (ou vídeo...depende, ainda, da tal coragem) falando dos blogs que me inspiram*

Ora vejam, a pessoa faz um vídeo para compartilhar suas compras e leituras, dar a sua opinião, falar de seus gostos e antipatias e aí chega uma criatura e resolve achincalhar a pessoa, chamar de dona da verdade e coisas assim. Mas, espera um pouco, não seria o caso do agressor se achar, de fato, o dono da verdade, já que não admite que outra pessoa fale livremente de seus gostos?!

E daí que na semana passada uma amiga, pouco versada nos meandros da internet, veio me perguntar se comentários agressivos nos vídeos são comuns ou só na ocasião presenciada isso havia acontecido. Infelizmente tive que dizer a ela que ser apedrejado na internet não é privilegio de poucos. Te odeiam porque você gosta, te odeiam porque você não gosta. Te odeiam porque você opina, te odeiam porque você se omite. Te odeiam se você inova, te odeiam se você permanece na mesmice.

Parece que as pessoas estão com dificuldade para se relacionar com as outras de outro modo a não ser através da agressividade. Parece que essa é a única linguagem disponível e, o pior, valorizada. Isso vale para mim também. Não que eu tenha postado comentários agressivos, tenha partido pra cima de alguém ou tenha sido grosseira gratuitamente, mas é fato que noto uma certa disposição maior para enfrentamentos, discussões e desentendimentos, como se, de alguma forma, precisasse disso para me impor, me fazer respeitar. 

Sinto que a intermediação do computador nos dá uma liberdade perigosa. Ao mesmo tempo em que rompemos fronteiras e inibições libertadoras, também nos despimos do cuidado no trato com o outro, dizendo coisas que seria muito melhor caladas do que cuspidas. Tem gente que confunde falta de educação com personalidade forte; muitas vezes é preciso mais coragem pra respirar fundo e não responder do que devolver uma resposta atravessada, demonstrando ter comportamento igual àquele que está criticando. Do mesmo modo tem gente que confunde ser sincero e crítico, com ser agressivo e não ter limites.

Eu não conheço a verdade do mundo, mas deixa eu contar uma coisa. Há três grandes mentiras no mundo:

- mentimos quando dizemos que não nos importamos com a opinião dos outros (assim como não é saudável ser refém do olhar do outro, não é humano, nem possível - aceitem...rs - ignorar completamente esse espelho. A única exceção compreende os psicopatas e espero que não seja o seu caso).

- mentimos quando dizemos que não nos magoamos quando somos agredidos verbalmente.

- mentimos quando dizemos que estamos leves por dizer uns desaforos (nos 30s inciais, até pode ser, mas, me conte aí...ficar remoendo o assunto horas depois é de matar, né? Discussão é um bumerangue e, nunca, nunca erra o caminho de volta).

As mentiras são tão bem preparadas que até acreditamos nelas, por um tempo, mas aquela dorzinha, o mal estar, o comichão, o piscar repetido e a respiração pesada denunciam a verdade que queremos ocultar.


Por isso, quando você se ajeitar na sua imponente cadeira e estalar os dedos para aplacar no teclado as frustrações que não pode expressar, pense em ouvir/ler tudo aquilo que está escrevendo/dizendo. 

Sinta. 

Baixe a sua guarda só um pouquinho...ninguém está olhando. 

Tente digerir e, quando não conseguir, simplesmente delete. O mundo já está cheio de torturadores, portanto, seja original e não mais um.


Um comentário:

Caçadora de Livros disse...

Também vi os vídeos flor.
Realmente é o fim dos tempos.
Sério!
Cansei de ver tais atitudes por aqui.
Parece que o povo pensa que por ser um mundo "virtual" não tem reflexos nos mundo real.
Eu hein.