11 maio 2012

Hoje é sexta feira...

...por isso me dei o direito de publicar coisas sem noção ou importância significativa porque, afinal, a vida (na verdade) é feita de futilidades, aleatoriedades e coisas bobas. 

Eu não tenho grandes saudades de quando o blog era o meu muro das lamentações, aliás, reler essas postagens só me faz rezar para que as pessoas não descubram o quão chata eu posso ser...rs. Mas, de uma coisa eu tenho saudade: das besteirinhas que escrevia, aqui e ali, em forma de mini posts, drops, às vezes apenas duas linhas, uma imagem, a palavra que me descrevia naqueles dias de som (ruim) e fúria.

Tem o dia da resenha literária...dos comentários sobre cinema, das séries queridas (e como elas me fazem descobrir que meu coração, quase sempre peludo, é uma manteiga derretida!), dos avisos, eventos, divulgações. Mas, hoje é sexta-feira, eu estou em estado alterado de consciência, seja pelos efeitos da vacina da gripe, porque estou tentando convencer minhas amigas a ir ver o Varekai ou simplesmente porque eu tô a fim de falar de mim.

Sabe esses memes e selinhos que as pessoas mandam umas para as outras? Pois...hoje eu vou mandar de mim para mim. 


Cinco coisas que me fazem ser cada pedaço infernal de mim mesma* 
(a ordem não é de importância, viu):

1. O mar

Talvez por ter nascido na beirinha do mapa. Talvez por ter passado todas as minhas férias, na infância, em região de praia. Talvez porque o som do mar neutralize todos os outros sons, até mesmo o barulho que mora em mim. Meu nome seria Janaína, mas decidiram mudar. Ficou Nayara. Bem diferente, mas, de toda forma, contendo o mar em si. Talvez por tudo isso ou por qualquer outro motivo que eu nem mesmo suspeito, amo o mar. 



















2. Meu amor por gatos e por batatas. Ok, aqui a sorte foi muito legal e colocou dois de meus amores juntos em uma das fotos mais fofas EVER! Quem nunca me ouviu falando "carboidrato é amor" é porque não prestou atenção, porque repito isso como se vírgula fosse. Tal qual o cão treinado de Skinner, basta ouvir a palavra batata e já salivo. Não raro taquicardia e frio na barriga acompanham esse estado. Amor, minha gente, carboidrato é amor. Sobre gatos, será mesmo que eu preciso explicar o amor?! Um ser elegante, limpo, inteligente, charmoso, marrento, silencioso e que não se rende aos humilhantes desmandos humanos....é um ser que merece quase a minha veneração. Vindo para casa, hoje, eu e minha mãe vimos um gato, na varanda de uma casa, ao lado do passarinho que, possivelmente, acabara de matar. Ela ficou horrorizada enquanto eu só conseguia pensar: apesar de tudo, ainda é um caçador.





3. Fotografia.

Como pode um equipamento capturar uma imagem e torná-la eterna? O mecanismo eu entendo, mas a mágica...não. Para mim, fotografia é mágica, é mística, é sobrenatural, é encanto. Se vier na configuração da foto abaixo, aí o amor cresce até me tomar por inteiro. Ruas estreitas, quase sombrias, casas de pedra, calçamento de paralelepípedo, um poste antigo e personagens anônimos. Imagino quem são, do que gostam, o que sentem. Imagino quem mora nas casas, como eu as habitaria. Sinto o calor ou frio da imagem. Me demoro nos detalhes. Como eu disse: encanto. 









4. Séries de TV.

Eu não sei exatamente quando começou, mas desde muito pequena gosto de séries. Pensei que a culpa era da noção de continuidade, de permanência...mas novela tem isso e nunca me cativou.  Esse é um amor que eu não sei explicar. Nem me importo muito. Gosto e ponto. Vejo, revejo, descubro. Choro, rio, sofro, compartilho, aprendo, desaprendo. Escolhi a imagem de Castle, não porque seja, necessariamente a minha série favorita (embora esteja no top 5), mas porque  ela me toca de uma maneira muito especial. Não são os episódios em si, nem o romance puro e simples. São as relações de amizade, respeito, companheirismo. De amor, na forma mais ampla, geral, irrestrita e bonita do termo. 


5. Sapatos exóticos.

Minha rebeldia silenciosa. Sem mais.




É isso, minha gente! Eu ficaria muito feliz se vocês quisessem deixar nos comentários as 5 coisas que representam suas paixões. Mas, se não quiserem, ok....eu só queria mesmo dizer.*Cirilo de Carrossel feelings*

P.S: * "Sou cada pedaço infernal de mim mesma'. Dizem que esta frase é de Clarice Lispector. Não sei. Nunca li. Se for: valeu, Clarice. Você é especial mesmo. Se não for: também é especial quem disse...eu amei.

2 comentários:

Lorena Rocco disse...

Eu acho legal esse carater do blog de muro das lamentações, por esse motivo, principalmente, evito tematizar o Alices. Acho que acaba perdendo um pouco o sentido de blog.

Acho que é um pouco de baiano essa conexão com o mar, pelo menos comigo é assim.
Sapatos é um pouco de toda mulher e gatos, bem, tem como não amá-los?

beijo!
Ps: Tem promoção valendo o livro "é tudo tão simples", no Alices. Participa! http://milalices.blogspot.com.br/2012/05/e-tudo-tao-simples.html

Wood disse...

Que bonita a sua paixão pelo mar ;p eu raramente vou ao mar. Ok que eu nasci em São Paulo (e na capital NÃO tem praia), mas acho tão legal/lindo, e acabo não indo. Preciso mudar isso, faz tããããão bem ir ao mar! ;)
Se eu pensar nas cinco coisas que me definem...eu não sei, acho que não chegam a ser cinco. Eu sei que amo música e livros e eles realmente me definem e me "ajudam" em todos os momentos da minha vida. Basicamente é isso, haha! Posso viver sem muitas coisas na minha vida, mas essas duas...não adianta, quando não há uma, com toda a certeza a outra está lá!
No mais: liiiiiiindos os sapatos, haha! ;)

Beijo beijo!!

Ps: eu também tenho meus devaneios no blog, acho isso super saudável e descontrai o clima, não fica aquela coisa mecânica e tudo...super apoio!