20 novembro 2012

Continue a nadar #5: resultado da pesquisa

Olá pessoas! 

O “Continue a nadar...” de hoje vai falar da pesquisa “O que incomoda vocês no universo dos blogs literários”. O sorteio já foi feito e vocês podem conferir o resultado AQUI

As análises que se seguem não primam pela objetividade técnica, afinal de contas, era apenas um bate papo, uma forma de conhecer melhor as pessoas que passeiam por aqui e saber o que vocês andam pensando. Mas, estejam certo de que eu não inventei nada, inclusive, os comentários continuam todos lá, no post original, eu apenas resumi, ok.
Estou pensando em fazer outros posts nesse estilo porque gostei muito do retorno; as pessoas se dispuseram a falar, dividir suas irritações, de modo bem franco, espontâneo e, sabe o que foi mais bacana? Mesmo indicando que, ao final haveria um sorteio de kit...ninguém sequer mencionou isso nas respostas! \o/
Amei a experiência, mas vamos deixar de blá blá blá...rs e falar das impressões que surgiram a partir das respostas.

Algumas pessoas responderam como leitores, outras como blogueiros e ainda outras responderam a partir das duas posições, e notei que as queixas de leitores e blogueiros não estão muito distantes! Pra falar a verdade, as duas principais queixas apareceram de modo gritante nos depoimentos dos dois grupos:
 
- falta de diversidade nas leituras e, consequentemente, resenhas;
- falta de personalidade dos blogs.

Nos comentários ficou bastante claro que os leitores que visitam os blogs literários estão ávidos por novidades, mas isso não se refere necessariamente à lançamentos. Ok, saber opiniões sobre o que acabou de sair do forno é ótimo, mas entrar no mundo dos clássicos, conhecer aquela obra pouco divulgada de um autor até mesmo famoso, descobrir um gênero literário no qual nunca ousou se arriscar, se encantar com uma improvável citação...esse é um dos maiores presentes da literatura! Quer coisa mais deliciosa do que deslizar os dedos pelas lombadas de antigos volumes na biblioteca e, de repente, parar em um e ver ali todo um novo mundo se abrir?

Eu adorei esse comentário:


Os mesmo livros, resenhados em todos os lugares, muitas vezes na mesma semana. Geralmente lançamentos enviados pelas editoras. Às vezes sinto falta de uma resenha daquele livro menos conhecido, que o blogueiro leu quando era um pobre mortal e não tinha parcerias com ninguém. Aquele clássico que o fez tomar gosto pela leitura, que ele achou em um cantinho empoeirado da biblioteca municipal. Carecemos de bons livros. Não que os lançamentos não sejam. Mas existem tantos que são bons e estão esquecidos. O que o povo resenha são apenas os "livros do momento", das "modinhas"”. 


Essa queixa dos leitores (e blogueiros, viu!) me fez lembrar da minha tristeza quando, ainda na faculdade de Psicologia, um belo dia cheguei na biblioteca e fui informada de que não mais teríamos acesso aos livros; deveríamos, a partir daquele dia, consultar a obra no sistema, identificar o código e entregá-lo ao bibliotecário que nos traria o exemplar. Naquele dia meu mundo ficou menor porque meu pensamento imediato foi: não tenho mais nada a descobrir aqui.


Seguindo esse caminho, vieram as queixas sobre personalidade. Do blog, do blogueiro...enfim, os leitores questionam desde os layouts quase feitos em série, de tão parecidos, a quantidade exagerada de colunistas (quem é mesmo o responsável por esse blog? Quem é mesmo esse resenhista?), até a qualidade e sinceridade das resenhas determinadas pelo envio das editoras parceiras. Questionam a dificuldade de conhecer o gosto do blogueiro, já que ele resenha apenas o que é lançamento, questionam a literatura da moda, comercial, efêmera. De modo bem direto, é como se eles perguntassem: quem é você, blogueira (o)? O que você (realmente) gosta de ler?

Criatividade parece ser o que todo mundo anda procurando. Tem blogueiro diminuindo parceria para se sentir mais livre, tem leitor pedindo posts mais diversificados, além da assustadora proporção 1 resenha:3 sorteios. A literatura permite tantos hiperlinks, mas parece que a gente, às vezes, tem dificuldade de por isso em prática.

E, por falar em sorteios, inclusive eles não escaparam das queixas, viu!

Há sorteios demais de livros comerciais, há sorteios demais através do Rafflecopter, há muitas exigências nos formulários, nem sempre se encontram os resultados dos sorteios, há sorteios que duram eras, há o prazo para se manifestar ou perde-se o prêmio. Houve queixa sobre quem recebe muita coisa e não sorteia nada e de que faz mais sorteio do que resenha. (Sobre o que mesmo é esse blog?). Houve queixa de sorteado que nunca avisa se recebeu o premio.(Sim, nós ficamos preocupados!)

E as resenhas, hein?
Além de serem dos mesmos livros, ainda têm agravantes. Umas são enormes, falam, falam e não dizem nada. Outras são meras sinopses, resumidas e cheias de spoilers. E a pior, das piores: a resenha plagiada. É triste: na tentativa de se afirmar e fazer as resenhas sinceras, os leitores andam magoados ao notar que algumas pessoas não apenas dizem que gostaram ou não de um livro e o porque, mas sentem uma espécie de necessidade de espezinhar o autor ou o gênero.

Saindo das resenhas, caímos no campo dos relacionamentos, onde a coisa também anda complicada. Se olharmos a relação blogueiro-blogueiro, a nossa imagem não anda nada bonita. Lembram quando eu falei que acho que os blogs atuam mais como empresas concorrentes do que como cooperativados? Não sou só eu que penso assim.

Pelo visto estamos mergulhados num mar de competitividade acirrada, disputa de egos, fogueira das vaidades, com dedos em riste para o erro alheio e fartura de comentários ofensivos. Eu já falei do famigerado “Tô te seguindo, me segue?”? Quem nunca passou por isso...agradeça aos céus...e aguarde. Como se não bastasse o spam no facebook, no twitter, nos comentários do blog...ainda tem o skoob. Sim, o te sigo, me segue também faz dali seu ninho...rs.

Hum, talvez a relação blogueiro-leitor esteja melhor, né não? Não.

Os leitores se queixam de que são cobrados por comentários, mas, quando comentam, cadê resposta?! Além disso, queixam-se da preocupação dos blogueiros somente acerca de números que garantam as parcerias, da infestação de plágios, do marketing excessivo, do “puxa-saquismo” dos autores nacionais, do amor por TODOS os livros das editoras parceiras. Mas eles também nos defendem! Acham injustas algumas seleções de editoras, bem como o tratamento diferenciado, admiram as inciativas e os lampejos de criatividade.

Enfim, ao que parece, os blogueiros se sentem traídos por antigos apoiadores e, algumas vezes, menosprezados pelas editoras. Os leitores se sentem desrespeitados pelo blogueiros e sentem vergonha alheia das picuinhas nas redes sociais, desespero pelas parcerias e carência por comentários. 

Assim ficamos nós, todos perdidos em um espaço que poderia ser muito mais do que está sendo e eu, do lugar de blogueira, pergunto (inclusive para mim):

Seu blog tem realmente a cara que você gostaria, blogueira(o)?

Nenhum comentário: