07 outubro 2013

O amor mora ao lado (Debbie Macomber)

Olá pessoas, 

vamos ao livro de hoje!

Eu queria um livro leve, doce e descompromissado, mas que, ao mesmo tempo, fosse bem escrito e não me fizesse sofrer tentando levar as páginas adiante. Foi assim que peguei O amor mora ao lado para ler, livro gentilmente enviado pela editora Novo Conceito, parceira do blog.


O livro nos conta a história de Lacey Lancaster, uma moça imersa em tristeza depois de uma separação traumática: um belo dia seu marido lhe informa ter se apaixonado por outra pessoa. Saber que o homem com quem pensou em construir uma família, uma vida, estava lhe dando um belo adeus sem nenhuma cerimônia praticamente detonou a auto-estima de Lacey e ela achou que nunca mais confiaria nos homens.

Foi essa certeza que fez com que ela fugisse, como o diabo foge da cruz, de todas as investidas de seu charmoso vizinho Jack Walker (que eu lia o tempo todo como Paul Walker...rs), ainda mais com tudo que ela imaginava sobre ele; acontece que sua gata Cleo não ofereceu semelhante resistência à Cão, dando início, assim, a história entre Lacey e Jack.

O que eu achei de O amor mora ao lado:

Bom, a história é um gigantesco clichê romântico.

Isso é ruim? Não! Era exatamente o que eu estava procurando!

Clichês, assim como os scripts, dos quais os estudos de comunicação tanto falam, são fundamentais, na medida em que nos oferecem a tão confortável sensação de familiaridade.

No caso de O amor mora ao lado, eu me senti, de certo modo, reconfortada ao ler essa história exatamente por ser previsível, calma, como um mar de águas calmas e mornas.

Me diverti lendo as idas e vindas (sem enrolação!) do casal, achei o Jack divertido, entendi as inseguranças da Lacey, tanto amorosas quanto em relação ao trabalho. Achei dispensáveis a irmã e o cunhado do Jack: que casal mais coxinha! Mas, existem pessoas exatamente assim na vida real, não é?...infelizmente. A narrativa é ágil, os capítulos são curtos e dinâmicos e a Debbie sabe como prender o leitor.

A única coisa que me incomodou foi o fechamento dado pela autora. Claro que não vou dizer qual foi, mas a impressão que me deu foi de que ela andou, andou, andou...e acabou voltando para a beira do abismo, pelo menos, ao risco dele. Enquanto escrevia essa resenha, postei esse incomodo no twitter e a , do blog Leitora Incomum discordou de mim.


Assim, eu gostei do livro, enquanto um passatempo bem leve, mas, quanto a esse final, eu gritaria para a Lacey É uma cilada, Bino!, mas a tem mais fé no Jack do que eu.

Nenhum comentário: