28 dezembro 2013

Teoria Geral do Esquecimento (José Eduardo Agualusa)

Deveria ser proibido a um homem ser bonito assim e escrever desse jeito


Isso foi o que pensei assim que terminei de ler Teoria Geral do EsquecimentoQuando terminei Nação Crioula, meu encantamento pela escrita de Agualusa foi tamanho que queria devorar, imediatamente, outro livro dele. O medo da decepção (e se esse fosse seu único livro bom?) e a ideia de que era preciso deixar a poeira baixar me fizeram ler outras coisas, mas, fato é que não resisti. Eu estava rendida.


Teoria Geral do Esquecimento é um livro cebola; você tem um acontecimento principal, aparentemente simples, embora tocante, mas, no decorrer dos eventos, um novelo vai se desenrolando e formando uma espécie de cama de gato interligando e emaranhando inúmeras e improváveis vidas. 

Ludovica, uma portuguesa, se vê obrigada a mudar-se para Luanda depois que sua irmã se casa com um engenheiro angolano. Distante de sua terra, nada nesse novo mundo lhe agrada e tudo piora quando estoura a guerra. “Esquecida” em casa, resta-lhe, como forma de sobrevivência e resistência, emparedar-se na moradia que nunca sentiu como sua. 

A partir daí, começa um enredo com ares pós-apocalípticos, com destaque para a bestialidade humana e a vida levada ao limite. Personagens vão desfilando, entrando e saindo de cena, exigindo do leitor atenção aos detalhes e ligações sussurradas, nem sempre escancaradas, mas, normalmente surpreendentes.

A leitura de Teoria Geral do Esquecimento me lembrou outra leitura apaixonante: Por este mundo acima. Nas duas histórias vemos o poder transformador e humanizador do amor, da atenção, do importar-se de alguém. Curiosamente, Patrícia Reis e Agualusa são amigos. Como não amar?

Teoria Geral do Esquecimento é um livro de surpresas. É um livro triste. É um amante exigente, que cobra olhar atento e coração preparado, mas, que oferece em troca uma leitura forte, contundente, sólida e, definitivamente, marcante.
Teoria Geral do Esquecimento é, para mim, um livro inesquecível.

Nenhum comentário: